Degustação de vinhos portugueses mono-varietais

Recentemente publicamos o relato de uma degustação de vinhos espanhóis mono-varietais e hoje vamos falar sobre um flight que realizamos nos mesmos moldes, porém com vinhos de Portugal.

Os portugueses são os mestres do corte / blend, sendo até incomum encontrar vinhos de lá com uma só uva. Mas Cervejas e Vinhos conseguiu reunir seis mono-varietais de cinco diferentes regiões vitivinícolas de Portugal. Veja como foi a degustação:

Adega de Cantanhede ‘Marquês de Marialva’ Arinto Grande Reserva 2015

Arinto é uma uva portuguesa conhecida por sua alta acidez e por se adaptar a diferentes climas, sendo cultivada principalmente em Bucelas (norte de Lisboa), Bairrada e Vinho Verde. O exemplar que degustamos era da Bairrada, uma edição especial da vinícola Adega de Castanhede, safra 2015 mas engarrafada somente em 2018. 50% do lote fermentou em barrica nova de carvalho francês. Apresentou aromas de frutas de polpa branca madura, aveia, baunilha e caramelo, sendo untuoso em boca e com longa persistência. Um vinho de ótima qualidade. Harmonizamos com tábua de frios e ficou muito bom!

Pedra Cancela Touriga Nacional Dão DOC Rosé 2020

A Touriga Nacional está para Portugal como a Tempranillo está para a Espanha e a Nebbiolo para a Itália. Mas aqui ela foi utilizada para produzir um rosé delicado, com aroma e sabor de morango, e bastante frescor. Harmonizamos com mignon suíno na brasa e foi uma boa experiência.

Terra d’Alter Alfrocheiro 2015

Aqui encontramos uma espécie de “Pinot Noir de Portugal”. Uma bela surpresa esse varietal de Alfrocheiro do Alentejo. Um vinho de taninos macios e notas de frutas vermelhas ácidas. A harmonização se deu com fraldinha na brasa e a combinação ficou perfeita!

António Saramago Tinto 2018

Apesar de não revelar no rótulo, esse vinho do grande António Saramago é um exemplar 100% Castelão, proveniente da Península de Setúbal. Um vinho simples, com suas frutas vermelhas e taninos redondos, mas bem agradável. Harmonizamos com fraldinha defumada com madeira de laranjeira e o resultado agradou. Uma curiosidade é que Saramago se inspirou nos Malbecs argentinos ao desenhar esse vinho.

Quinta da Romaneira Tinto Cão 2017

Aqui tivemos o tinto mais potente do flight, e o grande destaque ao lado do Arinto. A Tinto Cão é uma das castas mais nobres do Douro, e peça fundamental dos Porto Vintage. Esse vinho passou por 10 meses de envelhecimento em madeira, sendo 15% em carvalho francês novo. Encontramos aromas de amoras silvestres em compota, flor de laranjeira e cedro. Excelente vinho! Harmonizamos com contra-filé e ficou um espetáculo!

Caves Velhas ‘Thasos’ Moscatel de Setúbal 2010

Ao final, hora de adoçar a boca com o bom e velho Moscatel de Setúbal fortificado, que mesmo em suas versões mais simples, é sempre muito aprazível e com ótima relação custo / benefício. Apresentou aromas e sabores de casca de laranja cristalizada, damasco seco e mel. Realizamos uma dupla harmonização, primeiro com brisas de lis (quindim de gemas de ovos e farofa de amêndoas) e posteriormente com charuto brasileiro Dona Flor. Experiência excepcional!

2 thoughts on “Degustação de vinhos portugueses mono-varietais”

    1. Os vinhos citados na postagem são ótimas sugestões. Além disso recomendamos sempre procurar por vinhos de regiões produtoras confiáveis, que no caso de Portugal possui várias, tais como Douro, Bairrada, Dão, Minho, Península de Setúbal, etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.