Top 10: Os dez melhores vinhos que degustamos em 2019

10 – Fruitière Vinicole d’Arbois Poulsard 2017, Jura – França

Degustado na beira do rio Sena em Paris, esse vinho ficou na memória por três motivos: sua cor, das mais belas que já vimos em um vinho; sua qualidade, possuindo toda a tipicidade da uva Poulsard cultivada no Jura (já falamos dessa incrível região aqui no site); e pelo momento em que foi apreciado. Fresco e delicado, com predomínio de frutas vermelhas no aroma e sabor. Não distribuído no Brasil.

09 – Von Winning Riesling Deidesheimer Paradiesgarten 2016, Pfalz – Alemanha

Esse Riesling foi o grande vencedor de uma degustação temática relatada aqui no site. Aromas de limão siciliano, flores e petróleo. Muito intenso e com grande tipicidade. Von Winning é um excelente produtor de Pfalz, e seus vinhos podem ser encontrados no Brasil através da Wines4U.

08 – Casa Marin Lo Abarca Hills Vineyard Pinot Noir 2012, Valle de San Antônio – Chile

Numa noite de confraria, o amigo e sommelier Evandro Vanti Gonçalves, do blog Vinhos Que Provo, apareceu com essa garrafa recém trazida de uma viagem ao Chile. Se tivesse sido servida às cegas, seria facilmente confundida com um Borgonha. Tinha até mesmo um leve sous-bois característico dos grandes Pinot Noirs franceses. Trata-se de um Pinot encorpado, com longa passagem por madeira, porém perfeitamente elegante! Pode ser encontrado na Vinci.

07 – Jean Bouchard Vosne-Romanée Premier Cru 2010, Beaune, Borgonha – França

Segundo Pinot Noir do top 10, desta vez um Premier Cru de uma denominação famosa. Em 2019 tivemos a oportunidade de degustar Chassagne-Montrachet, Aloxe-Corton e Nuits-Saint-Georges, entre outros, mas o Vosne-Romanée esmagou todos com sua opulência. Sous-bois, couro, frutas vermelhas maduras, um leve tostado. Um esplendor! No Brasil pode ser encontrado na Divvino e no Angeloni, mas foi degustado por nós no The Wine Pub de Florianópolis.

06 – Evinor Tokaji Aszú 3 Puttonyos 2013 – Hungria

Um dos destaques de uma degustação de Tokay relatada aqui no site, este 3 Puttonyos apresentou aromas de geléia de damasco, mel e casca de laranja. Em boca lembrou licor de laranja, com acidez alta e belo final. Dizer que um Tokay é delicioso é até chover no molhado! Adquirido no Empório Húngaro.

05 – Gitton Père et Fils Clos Joanne D’Orion Pouilly-Fumé 2017, Vale do Loire – França

A Sauvignon Blanc cultivada no Alto Loire possui características únicas, e esse Pouilly-Fumé é a mais pura expressão de seu terroir. Apresentou no nariz frutas cítricas, rebento de groselha preta, notas florais e minerais. Oleoso e ácido, complexo e saboroso. Pode ser encontrado na Via Vini.

04 – Sánchez Romate Oloroso Don José, Jerez – Espanha

Participamos de uma Master Class de Jerez no The Wine Pub em Florianópolis, durante a International Sherry Week que acontece todo mês de novembro, e o exemplar que mais nos chamou a atenção foi este Oloroso da vinícola Sánchez Romate. Feito a partir da casta Palomino, com 18 anos de Solera, traz aromas de oleaginosas, azeitona, café e couro. Tem 18º de teor alcóolico, sendo um generoso, porém absolutamente seco. Um vinho sensacional! É vendido no Brasil pela Bella Cave.

03 –Adanti Arquata Sagrantino di Montefalco 2004, Umbria – Itália

Já falamos da casta Sagrantino aqui no site, famosa por ser uma das uvas mais tânicas do mundo! Tivemos a oportunidade de provar este vinho na residência do grande expert em vinhos Ronaldo Maurer, que a trouxe diretamente da Itália. Amora é o principal descritor aromático da Sagrantino, mas sendo uma garrafa de 2004, já dominada pelos aromas terciários, o que mais sentimos foram as notas terrosas e balsâmicas. A impressão final vamos resumir em uma só palavra: potência! Não é distribuído no Brasil.

02 – Pio Cesare Barbaresco 2001, Piemonte – Itália

Estávamos em uma pizzaria degustando vinhos, quando um garçom se aproximou e nos contou que existia uma garrafa de 18 anos “abandonada” na adega. A mesma estava lá desde que a pizzaria abriu e nunca havia sido pedida. Nos fez a proposta de vendê-la pela metade do preço, e se estivesse avinagrada, não cobraria nada. Topamos e o resultado foi o vinho da noite, e um dos melhores do ano! Barbaresco clássico, repleto de especiarias e características terciárias típicas de um Nebbiolo com longo poder de guarda. Que vinho! A Pio Cesare é importada no Brasil pela Decanter.

01 – Châteauneuf-du-Pape 1979, Rhône Sul – França

Sobre o número 1 de 2019 realizamos uma postagem aqui no site, contando como o adquirimos e o que achamos dele. Sequer sabemos o nome do produtor, irreconhecível pelo rótulo, mas visitar a De Vinis Illustribus em Paris e sair de lá com um Châteauneuf-du-Pape de 40 anos de idade, plenamente são, foi uma experiência incrível! Sentimos aromas de frutas vermelhas em compota, balsâmico e um delicioso chocolate. Em boca tais características se repetiram, revelando ainda uma acidez pulsante. Memorável, sob todos os sentidos.

Feliz 2020!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *