Saiba mais sobre o Vale do Mosel e seus vinhos soberbos!

As sete principais regiões vitivinícolas da Alemanha são: Mosel, Nahe, Rheingau, Rheinhessen, Pfalz, Baden e Franken. Hoje vamos falar um pouco sobre o belíssimo Mosel, terra de alguns dos melhores Rieslings do planeta!

A região do Mosel compreende o rio Mosel, desde onde este se junta ao rio Reno (Rhein) até à fronteira alemã, incluindo ainda os dois pequenos afluentes do Mosel, o Saar e o Ruwer.

Os vinhos brancos predominam a produção, especialmente os da casta Riesling (foto). Inclusive esta é a única variedade permitida para os vinhos GG (Grosses Gewächs), que são considerados os melhores vinhos secos da Alemanha.

Outras uvas permitidas no Mosel são: Müller-Thurgau, Elbling, Pinot Noir, Pinot Blanc, Dornfelder, Kerner, Pinot Gris, Bacchus, Chardonnay, Regent, Auxerrois e Ortega.

A produção de vinhos está concentrada no centro da região, em uma área conhecida como o Mosel Médio, onde existem uma série de localidades com sólida reputação pelos seus vinhos de excelente qualidade. As mais conhecidas são Piesport, Bernkastel e Wehlen.

As melhores vinhas encontram-se em encostas muito íngremes, com solos de ardósia, situadas junto ao rio. Comparados com os vinhos do Rheingau, do Rheinhessen e do Pfalz, os Rieslings de Mosel tem tipicamente menos corpo, menos álcool e mais acidez. Neles predominam os sabores florais e de fruta verde. De acordo com o grande especialista em vinhos Hugh Johnson, são “os mais brilhantes, refrescantes, aromáticos e incrivelmente sutis de todas os Rieslings alemães”.

O Saar e o Ruwer, que são áreas mais frias, representam apenas uma pequena porcentagem das plantações existentes no Mosel. Os melhores vinhos são de estilo e qualidade similares aos do Mosel Médio, embora geralmente exibam um nível de acidez ainda mais alto. Nos anos mais frios, as uvas, inclusive as cultivadas nos melhores lugares, não amadurecem totalmente, sendo utilizadas na produção de vinho espumante (Sekt).

A classificação dos vinhos na Alemanha são indicativos de qualidade, e no Mosel são três as classificações: Qualitätswein (QbA), Prädikatswein e VDP (Verband Deutscher Prädikatsweingüter).

Um vinho produzido na região de Mosel que atende a um nível mínimo de maturação é um Qualitätswein (QbA). A qualidade varia nesta categoria, desde vinhos a granel até vinhos Riesling de boa qualidade, provenientes de todo o Mosel.

Prädikatswein baseia a qualidade na maturação e na quantidade de uvas afetadas pela podridão nobre (Botrytis cinerea). Como a região é tradicionalmente tão fresca, o amadurecimento tem sido o fator determinante da qualidade do vinho. É a designação mais comum que você encontrará no Mosel, e ela se divide em seis categorias de Prädikat. Cada Prädikat pode ser elaborado com diferentes níveis de doçura:

– Kabinett (seio a meio doce)
– Spätlese (seco a meio doce)
– Auslese (seco a doce)
– Beerenauslese (BA) (apenas doce)
– Eiswein (apenas doce)
– Trockenbeerenauslese (TBA) (apenas doce)

O Trockenbeerenauslese (TBA) é o mais raro e caro, feito de uvas colhidas individualmente. Poucas vinícolas conseguem obter mais de algumas centenas de garrafas. É capaz de permanecer fresco e vigoroso por 1 século! Não é à toa que da lista dos 20 vinhos mais caros do mundo, quatro deles são TBAs de Mosel!

Por fim, o VDP (Verband Deutscher Prädikatsweingüter) é uma iniciativa de um grupo independente de produtores. Os membros deste grupo classificam as suas vinhas, as quais, por consenso, compreendem a grande maioria dos melhores vinhedos da Alemanha. Seria o mais próximo do conceito francês de cru. Normalmente, esta classificação só se vê nos rótulos quando os membros do VDP produzem vinhos secos a partir das melhores vinhas. Estes vinhos secos são chamados de Grosses Gewächs, o qual é indicado pelas letras GG (conforme citamos no início deste artigo).

Dicas de lojas com bom catálogo de vinhos alemães: Weinkeller e Vindame.

Bibliografia:

– Compreendendo o Vinho: Explicando o Estilo e a Qualidade – Livro de Apoio da Qualificação de Nível 3 em Vinhos WSET
– Artigo do site Wine Folly: https://winefolly.com/deep-dive/mosel-valley-wine-guide/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *