Cervejas e Vinhos visita o Vale dos Vinhedos, parte 2 de 3

Na parte 1 desta matéria, que cobre a estadia de Cervejas e Vinhos no Vale do Vinhedo por três dias, contamos sobre nossas experiências nas vinícolas Dom Cândido, Pizzato e Casa Valduga.

No segundo dia, acordamos cedo e partimos para a Estrelas do Brasil, vinícola especializada em espumantes de alta qualidade, mas que também produz ótimos vinhos tranquilos. Já havíamos participado de um encontro com o enólogo Alejandro Cardoso em 2018, onde pudemos provar vários rótulos. Desta vez fomos atendidos pelo sócio de Alejandro, o também enólogo Irineo Dall’Agnol, que nos apresentou oito vinhos, sendo seis espumantes e dois tranquilos. Antes de falarmos dos vinhos, um adendo importante: a vinícola fica num dos locais mais lindos que já visitamos, simplesmente paradisíaco! A estátua de Dom Pérignon (foto acima) é outro atrativo.

Pela ordem, provamos os seguintes espumantes: Prosecco Rosé 2020, brut feito de Glera (95%) e Pinot Noir (5%); Brut 2017, corte de Chardonnay, Riesling Itálico e Pinot Noir; Extra Brut Rosé 2017, 100% Pinot Noir; Trebbiano Extra Brut 2016; Nature Rosé Pinot Noir 2017 e Nature 2017, corte de Chardonnay, Riesling Itálico, Pinot Noir e Viognier. Todos excelentes! Após essa bateria, Dall’Agnol nos aconselhou a caminhar pelos vinhedos bebendo um espumante. Escolhemos o Extra Brut Rosé 2017 e tivemos uma experiência maravilhosa que certamente foi um dos pontos altos de toda a viagem, e que aconselhamos para todos que visitarem o Vale dos Vinhedos.

Após o passeio, Dall’Agnol ainda nos apresentou mais dois vinhos, desta vez tranquilos: o MonteVino Sauvignon Blanc 2020, que só pelo aroma já pudemos reconhecer imediatamente que se tratava de um Sauvignon Blanc, com aquele herbáceo típico; e o Dall’Agnol Pinot Noir A10 2018, com uma pegada mais rústica, que acabamos comprando uma garrafa e bebendo por lá também. Tudo isso antes do meio-dia! Vinhos de grande personalidade, e um padrão geral de qualidade elevadíssimo. Ficamos realmente admirados com essa vinícola!

Ao sair da Estrelas do Brasil, a meta era ir até Pinto Bandeira, visitar a Cave Geisse, outra ícone em se tratando de espumantes na Serra Gaúcha. Mas antes precisávamos almoçar. No meio do caminho encontramos a Garbo Enologia Criativa, cujo nome chamou nossa atenção, e decidimos dar uma olhada. No recinto havia uma loja, com os vinhos do projeto, e nos fundos um belo restaurante com mesas ao ar livre, chamado Casa Vanni. Pedimos alguns pratos e, para acompanhar, o vinho ícone do local, Garbo Plenitude 2018, corte de Merlot, Tannat, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Petit Verdot. Vinho pesadão, que estagiou 20 meses em carvalho francês e americano. Apresentou uma junção de chocolate, coco e baunilha deixando a madeira mais evidente do que a fruta. Não chegamos a provar outros vinhos.

Quando chegamos na Cave Geisse já estava próximo do horário de fechar, então só conseguimos curtir uma garrafa. Escolhemos o que havia de mais exótico na carta: o Família Geisse Cave Amadeu Laranja Nature, 100% Chardonnay. Aqui confessamos nossa ignorância: sequer sabíamos que existia espumante laranja! Os vinhos laranjas são bem polêmicos, uma coisa meio “ame ou odeie”, mas que nós do Cervejas e Vinhos gostamos. Esse espumante possuía grande drinkability e acreditamos que, mesmo quem não está acostumado com vinho laranja, iria gostar. Em nossa avaliação, excelente!

De volta a nossa hospedagem, ainda matamos mais duas garrafas antes de dormir: Dall’Agnol Chardonnay 365 Dias, definido como vinho laranja mas que não tinha nem cor, nem características de laranja, nos parecendo um bom vinho branco; e o Fausto Merlot 2018, vinho de entrada da Pizzato, básico e correto.

Amanhã publicaremos a terceira e última parte da matéria, contando sobre nossas visitas às vinícolas Alma Única e Peculiare. Até lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *