Enogastronomia: Vinho e feijoada. Será possível harmonizar?

Será possível harmonizar vinho e feijoada? Com esta pergunta em mente, Cervejas e Vinhos decidiu realizar uma experiência. Chamamos o cozinheiro Ronaldo Nouals para preparar uma bela feijoada, fizemos algumas pesquisas, conversamos com alguns sommeliers, e chegamos ao seguinte trio de vinhos: um espumante rosé de Malbec, um Touriga Nacional e um Tannat. Vamos aos testes!

Ficamos intrigados quando o sommelier Douglas Alex Leyes Balcon nos indicou um espumante encorpado para harmonizar com uma feijoada. Optamos por um rótulo da Serra Gaúcha, Don Guerino Malbec Rosé Brut. Elaborado pelo método Charmat, com aroma de frutas vermelhas, bom corpo e frescor, revelou ótima combinação com a feijoada. A comida acentuou a acidez e a fruta do vinho de forma agradável, e a bebida lavava a boca. Primeiro teste aprovado.

Na sequência foi a vez do Dal Pizzol Touriga Nacional 2015, também da Serra Gaúcha. Trata-se de um vinho com aromas de amora, mirtilo e notas florais, de corpo médio e acidez moderada. A uva símbolo de Portugal é famosa por produzir vinhos estruturados, e nas recomendações gastronômicas da própria Dal Pizzol para este exemplar estão incluídos “carnes vermelhas, embutidos e defumados”, entre outros. Mas infelizmente a harmonização não deu certo. A feijoada matou o vinho. Talvez, numa próxima ocasião, fosse interessante testar com um Touriga Nacional de Portugal, mais encorpado.

Para concluir, abrimos o Viña Edén Tannat Reserva 2015, do Uruguai. Foi outra dica do Douglas Balcon, não necessariamente para harmonizar com feijoada, mas como exemplo de um Tannat de alta qualidade e com toda a tipicidade que esta uva alcança no Uruguai. Escolhemos esta casta devido ao fato de que no Madiran, no sudoeste da França, ela gera o vinho que acompanha o cassoulet. Embora eles utilizem feijão-branco, trata-se de um prato igualmente consistente e gorduroso. Mas vamos ao vinho: no nariz frutas negras e muito chocolate (resultado dos treze meses amadurecidos em barrica de carvalho francês). Em boca mostrou-se encorpado, com taninos intensos e maduros. Um vinhaço! E a harmonização com a feijoada? Um complementou o outro. Podemos dizer inclusive que a feijoada amaciou o vinho, quebrando a adstringência e ampliando a sensação de condimentado tanto da comida quanto da bebida. Em nossa opinião, coadunada pelo chef Nouals, o equilíbrio foi perfeito!

Esperamos realizar mais experiências enogastronômicas em breve para compartilhar aqui no Cervejas e Vinhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.